Uma foto desse nosso tempo

Estava lendo alguns matérias de estudo, uma delas tratava da mecanização nas organizações, como todo o trabalho era separado por partes a fim de otimizar a produção. O resultado era uma maior eficiência por um lado e a insatisfação do homem por outro pois ao se dedicar a apertar parafusos muitas e muitas horas por dia ele tinha a sua capacidade intelectual colocada de escanteio. Tudo isso me fez pensar… será que a nossa realidade é tão distante e diferente dessa época? Será que a modernidade mudou a vida pra melhor?
Acho que nós somos vitimas do nosso tempo. Tempo que passa rápido, que escorrega pelas mãos. Você nasce, cresce, está na adolescência, é tempo de “curtir a vida”, leia-se: sair com os amigos, se embebedar, fazer bastante merda, se é que isso tem algum valor. Depois vem a pressão de se formar, trabalhar, ganhar dinheiro, escolher um companheiro, se casar, ter filhos, se aposentar e ponto final. Mas a idéia é que você tem que produzir senão a sua vida não tem valor nenhum. Você trabalha pelo dinheiro, pelo reconhecimento, fica horas e horas da sua vida preso num ciclo que praticamente não terá fim enquanto você for útil. Isso me lembrou uma cena do Waking Life onde o personagem conta que passou o dia inteiro no trabalho, preocupado, resolvendo problemas, depois quando ele chegou em casa, no pouco tempo que ele tinha pra descansar a cabeça, ele adormeceu e sonhou com a própria rotina, como o próprio dia a dia… “Já é ruim o bastante que vendamos nossa vida desperta por um salário mínimo, mas agora, eles ficam com seus sonhos de graça”. Até os seus sonhos já estão corrompidos.
Além de viver uma vida mecanizada, as pessoas ainda são escravas de uma linha do tempo. Elas estão tão preocupadas em cumprir cada etapa da vida “como ela deve ser” , ou melhor, como ela nos foi imposta, dessa forma quando as pedras aparecem no caminho as pessoas simplesmente não sabem como lidar com a situação.
O que seria de um jovem com uma bela vida pré-programada pela frente se por exemplo, de uma hora para outra, enfrentasse uma gravidez indesejada? Eu já perguntei isso pra muitas pessoas que eu conheço e a grande maioria respondeu categorigamente que isso seria quase que o fim do mundo, que seria uma grande cagada pra estragar a vida de alguem.
E se você encontra o amor da sua vida aos 17 anos de idade, fudido e sem emprego? Você é obrigado a viver mais um tempo, se estabilizar na vida pra poder entrar de cabeça num casamento? Muita gente acharia que se casar aos 17 anos seria uma grande burrada, que implicaria em pular etapas da vida de um jovem, pois o “certo” é ele viver o maximo que puder antes de enfrentar grandes responsabilidades. Como se afirmar isso já não fosse um grande contra-senso…
Eu poderia ficar um dia inteiro aqui citando exemplos assim, tão comuns, tão cotidianos… no entanto eu me pergunto por que as pessoas possuem esses pensamentos tão engessados…
Aonde fica o fator surpresa da vida? Qual é a graça de fazer tudo na hora que você julga que é a melhor? Qual o gosto disso? Alias, desde quando nós somos capazes de afirmar que existe um tempo ideal para viver uma determinada situação? Seria fácil se realmente tivéssemos tanto controle sobre o nosso tempo e a nossa vida.. Será que traçar um plano de vida realmente vai trazer alguma felicidade? Será que vai fazer as coisas valerem a pena? A nossa vida é muito frágil e o tempo é muito curto, por isso eu acho que vale mais a pena dar chances ao acaso…no fim das contas, muitas vezes as coisas mais inesperadas são as que mais nos trazem felicidade, esses momentos são exatamente o tempero especial de um tempo que por si só é altamente frio, cruel e mecanizado.

Bom pra terminar vou colocar uma música que eu adoro, e o inicinho dela é mto bom qdo ele canta :
“I am a victim of my time
A product of my age
There’s no choosing my direction
I was a holy man but now
With all my trials behind me
I am weak in my conviction”

Anúncios

6 Respostas

  1. Que coisa incrivel, estou a meses sem entrar no seu blog e quando entro, pego um post fresquinho que também é um bom post.
    Na verdade eu li minha rotina neste post e realmente bateu aquela nostagia da infância aonde tudo que eu queria era ser adulto, livre e na verdade só troquei de prisão, antes eu vivia sobre as regras dos meus pais e da escola, agora é o trabalho, a pós o mestrado e por ai vai.
    Realmente cada vez eu tenho a sensação de ter menos tempo a semana passa em uma velocidade que eu não acompanho, acordo em uma segunda-feira e quando vou dormir já é sexta.
    Estou tão condicionado a minha rotina que as coisas simplismente acontecem alheias a minha vontade, mas ainda assim eu dou sempre chance ao acaso, pois em um desses acaso te conheci, me apaixonei, fui rejeitado, sofri desapaixonei, mas ainda sinto um carinho inexplicável por você.

  2. Olá caro colega banbleu, primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo post, pois constam nele observações interessantes e que expressam seu pensamento a respeito da nossa tão importante existência. No entanto, farei algumas considerações a respeito.

    Quanto ao primeiro comentário, com relação ao exemplo dos parafusos, entendo que infelizmente o sistema sempre funcionará desta forma. Nem todos terão a sorte de expressar suas idéias, ou então não terão coragem suficiente para isso, restando a estes apenas “apertar parafusos” pelo resto de suas vidas.

    Porém, quanto à essência do post, creio que sua perspectiva de levar a vida tem sua lógica, mas considerando o mundo em que vivemos, nem sempre as pessoas têm a oportunidade de correr riscos. Concordo quando rejeita a idéia de vivermos uma vida mecanizada, entediante. Penso que não devemos nos contentar com tão pouco, pois como disse, a vida é passageira, e o tempo é curto. Mas não podemos deixar de pensar naquelas pessoas que não tem a oportunidade de sair deste sistema. Ter um filho aos 17 anos não é o fim do mundo, porém uma gravidez indesejada com certeza mudará a vida de diversas pessoas ao redor. Talvez nenhum dos pais tenham como sustentar um filho, terão de abandonar os estudos para ganhar dinheiro, interromper um sonho, ou seja, a escolha pode lhes custar caro, e provavelmente não haverá volta. Suas escolhas podem mudar a vida de todos ao redor, não somente a sua.

    O acaso tem lá seu charme, porém ninguém saberá aonde ele irá te levar. Há aqueles que preferem arriscar, há aqueles que não podem arriscar, e também aqueles que preferem não arriscar. Devemos buscar a felicidade acima de tudo, arriscando ou não, cada qual com o seu jeito de agir e pensar; temos que comandar nossa vida, dar rumos e buscar a realização de nossos sonhos, da melhor maneira que acharmos conveniente (leia-se aqui mecanizados, conservadores ou até hippies).

    Seu fã ;**

  3. Muito interessante, viu. Mas digo uma coisa, tits or gtfo! ok?

  4. larissinha querida, quero te chupar todinha! delicia
    bjosmeliga 😀

  5. Acho que você não lê isso aqui, mas vamos lá:

  6. Dê chance ao acaso, mas não se apegue a ele como uma sua única esperança para salvar uma vida preguiçosa e acomodada.

    Há quem ache divertido “jogar o jogo da vida” com suas fases e todo o resto. Muitas vezes pode ser visto como um desafio e é gratificante fazer parte de tudo isso e passar por coisas que lhe acrescentam qualidades que você ainda não tinha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: